POR TELEFONE (2011 e 2012)

Sucesso de público em todo o Brasil, POR TELEFONE foi a primeira incursão como autor teatral de Antonio Fagundes. Depois das duas temporadas no Rio de Janeiro, a peça com Juliana Teixeira e Jandir Ferrari sob direção de Luís Artur Nunes segue em turnê para outras cidades do país.

POR TELEFONE é uma comédia romântica que conta a história de um casal que é acordado durante a madrugada por um telefonema com a notícia de demissão do marido. O espetáculo aborda, com muito humor, questões sobre a decadência da classe média e assuntos contemporâneos, como corrupção, desemprego e relações de trabalho. “O humor está presente em todo o texto, mas o que o torna engraçado é a própria situação patética de um casal de classe média, que sempre se omitiu e esteve a favor do sistema, que de repente percebe que esse sistema está contra ele”, conta Fagundes.

“O grande charme do texto é a fácil identificação do público e a comunicação, isso com uma excelente carpintaria de dramaturgia. É uma peça que exercita muito o timing dos atores”, detalha Juliana Teixeira atriz e produtora de POR TELEFONE.

Jandir Ferrari divide o palco com a atriz/produtora. “A Juliana me ligou no dia do meu aniversário e falou que estava mandando um texto do Fagundes. Li rapidamente e imediatamente retornei aceitando o presente. Sabia que esse texto já tinha sido usado em várias bancas de mestrado e testes de escolas de teatro. O mais legal é que quando a gente faz a peça, fica claro que o texto foi escrito por um homem de teatro. Os tempos, as situações propostas são muito teatrais”, relata Jandir que fará o personagem que Antonio Fagundes e Luiz Carlos Arutin já interpretaram.

“O Fagundes tem uma qualidade de teatralidade autoral que é muito forte e muito saborosa. POR TELEFONE é um texto escrito por alguém que tem uma vivência íntima com o palco. O jogo de interação entre os dois personagens é extremamente teatral: tem humor, tem Brasil e popularidade” explica o diretor Luís Artur Nunes que utiliza uma linguagem extremamente realista, embora a história seja um pouco surrealista. “Imagina você ser demitido às 04h15 da manhã pelo telefone? Depois, ainda, receber a notícia de invasão da sua residência e de sua prisão? Isso tudo pelo telefone. A maneira que os personagens reagem é tão humana que quanto mais realisticamente a encenação for feita, mais esse absurdo da situação vem à tona”, finaliza Luís Artur.

Histórico de Temporadas
Rio de Janeiro - Teatro Vannucci (setembro a dezembro de 2011)
Ourilândia (PA) - Teatro Pitágoras - (janeiro de 2012)
Rio de Janeiro - Teatro Café Pequeno (fevereiro a abril de 2012)
Salvador - Teatro Módulo (julho e agosto de 2012)
Sudeste, Sul, Nordeste e Norte (abril a novembro de 2012) - Lages (SC), São José dos Campos, Caraguatatuba e Taubaté (SP), Santa Maria (RS), Petrolina (PE), Vitória da Conquista e Juazeiro (BA).
Ficha Técnica
Autor - Antonio Fagundes
Direção - Luis Artur Nunes
Elenco - Juliana Teixeira e Jandir Ferrari
Cenografia - Marcos Flaskman
Figurino - Pedro Sayad
Visagismo – Evânio Alves
Iluminação - Aurélio De Simoni
Trilha Sonora - Luis Artur Nunes
Assessoria De Imprensa - Eduardo Barata e Flavia Tenorio
Fotógrafo - Ian Costa, Guga Melgar
Programação Visual - Sergio Martin
Captação de Apoio e Marketing - Ghéu Tibério
Gestora De Redes Sociais - Alaina Pisan
Produção De Base - Andreia Cony
Produção Executiva - Acacio Velloso e Tiago Moreno
Coordenação De Produção - Norma Thiré
Realização - Nova Bossa Produções Culturais